agencia

Notícias

Sexta-feira, 23/08/2019 - 14h53

Comunidade escolar da Prefeitura de São Luís participa de oficinas de formação do Projeto Hortas Pedagógicas

Projeto é realizado pela Embrapa, em parceria com o Ministério da Cidadania, Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e outros parceiros e reúne alunos, educadores, pais e responsáveis

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Comunidade escolar da rede municipal de ensino participa de oficinas de formação do Projeto Hortas PedagógicasConhecer os tipos de hortaliças, trabalhar a terra, produzir adubo e desenvolver uma visão sustentável a partir do plantio de uma horta. Essas são algumas ações que serão desenvolvidas por alunos, professores e a comunidade escolar das Unidades de Educação Básicas (U.E.Bs) Jackson Lago, na área urbano, e da Augusto Mochel, na zona rural, que estão recebendo a etapa piloto do projeto Hortas Pedagógicas. O projeto é realizado pela Embrapa, em parceria com o Ministério da Cidadania, Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Educação (Semed) e outros parceiros públicos municipais e estaduais. 

A iniciativa é voltada para a segurança alimentar e nutricional das comunidades atendidas por meio da educação e alia práticas de produção de hortaliças às práticas didático-pedagógicas da escola, estimulando crianças e adolescentes a levarem os conhecimentos para sua casa e comunidade.

"Nós abraçamos a proposta do Hortas Pedagógicas porque entendemos que é uma ação que terá impacto direto no futuro de toda a nossa sociedade. São ações que fomentam o cuidado com o meio ambiente, que ensinam sobre sustentabilidade e que estão diretamente ligadas à saúde por estimular uma alimentação mais saudável e mais nutritiva e que reforçam as ações que são realizadas pela gestão do prefeito Edivaldo. Esperamos que em breve outras escolas também sejam inseridas no cronograma das ações do projeto", afirmou o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa.

As hortas estão sendo construídas em áreas abertas das escolas. De acordo com a Embrapa a metodologia propõe que elas funcionem como salas de aula ao ar livre, onde os alunos possam aprender sobre os conteúdos pedagógicos das disciplinas escolares, aliados aos aspectos agronômicos. O chefe-adjunto de Transferência de Tecnologia da Embrapa, Carlos Eugênio Vitoriano Lopes, explica que em cada escola foram realizadas em média 10 oficinas, com a intenção de permitir a segurança alimentar. "O objetivo é levar os ensinamentos além da escola, que a cultura da boa alimentação seja levada para as casas dos estudantes", pontuou.

A chefe geral da Embrapa Cocais, Maria de Lourdes Mendonça, fala que o projeto é o plantio de uma semente. "O projeto tem a intenção de plantar no coração de crianças e adolescentes a semente de como se faz para produzir alimentos saudáveis e nutricionais e também a semente da sustentabilidade ambiental", pontuou.

OFICINAS

Nesta semana estão sendo realizadas oficinas envolvendo toda a comunidade escolar, entre eles alunos de 1º ao 9º anos, gestores, coordenadores, professores, merendeiras, nutricionistas. Entre os temas abordados está o reaproveitamento de resíduos orgânicos e compostagem, irrigação, plantio e semeadura de hortaliças. Na U.E.B Jackson Lago os alunos plantaram alface, quiabo, cheiro verde e pimenta de cheiro e já semearam outras hortaliças para plantar nas próximas semanas.

"É um processo contínuo de aprendizagem, de reciclagem, de melhoria das questões alimentares. Porque no momento que o estudante colhe aquilo que ele plantou, ele vai fazer questão e comer. Eu já vi experiências de alunos que passaram a comer alface, cenoura e outros vegetais que normalmente não comem. Então com o tempo eles começam a influenciar as famílias e a comunidade em geral sobre a melhoria da cultura alimentar", afirmou a analista da Embrapa e coordenadora nacional do Hortas Pedagógicas, Margarida Gorga.

Já os professores participaram da oficina Horta na Sala de Aula, em que a partir da experiência de conhecer o processo de plantio de uma horta eles possam desenvolver em sala de aula atividades afins voltadas para disciplinas como a matemática, ciências, português e geografia, por exemplo. Para o professor Tales Mota, a implantação da horta na escola vai agregar mais elementos para trabalhar tema relevantes em sala de aula.

"Aqui na nossa escola sempre estamos buscando as melhores estratégias para aproximar o aluno e melhorar o aprendizado. Com a chegada da horta teremos mais elementos para trabalhar pois acreditamos que o aluno valoriza mais o que ele é capaz de construir. Eles irão acompanhar todo o desenvolvimento das hortaliças e verduras, desde a sementinha e os frutos. Isso vai fazer com que ele passe a consumir esses ingredientes que são essenciais para um crescimento saudável. ", afirmou ele.

Além de ensinar todo o processo ao aluno por meio de oficinas com os técnicos, a Embrapa também oferece às escolas material técnico e didático necessário para a manutenção das hortas como manual de instalação, livros de literatura infantil, gibis e jogos relacionado a hortas e alimentação. De acordo com a coordenadora nacional do projeto, a ideia é que até o final do ano esse material seja consolidado com vídeo-aulas e outros materiais impressos para continuar o projeto de forma autônoma.

A implantação da etapa piloto será realizada nas escolas até sábado, com oficinas sobre horta e leitura de livros sobre o tema, seguidos de atividade e desafios pedagógicos. Haverá ainda treinamento para os profissionais envolvidos (professores, merendeiras, nutricionistas, diretores, coordenadores, entre outros) e para pais e alunos interessados em aprender técnicas para a produção de alimentos.

Entre os temas abordados está a produção de mudas; produção de adubo a partir de resíduos orgânicos e minhocas; implementação e manejo da irrigação; cordão vivo de proteção; manejo de insetos e plantas daninhas; cultivo de ervas medicinais, condimentares e aromáticas; elaboração de atividades pedagógicas envolvendo a horta; papel do merendeiro e do nutricionista no aprendizado escolar; importância da cultura alimentar local; e aproveitamento de alimentos como insumos para compostagem e produtos alternativos.

PARCERIAS

O projeto Hortas Pedagógicas é desenvolvido pela Embrapa Hortaliças, fruto da parceria entre a Embrapa e o Ministério da Cidadania, com apoio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), em prol da segurança alimentar e nutricional das comunidades atendidas, por meio da educação.

No Maranhão, são responsáveis pela execução do projeto a Embrapa Cocais e secretarias municipais da Prefeitura de São Luís, como a de Educação (Semed), por meio do Núcleo de Educação Ambiental, de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa), de Segurança Alimentar (Semsa) e Planejamento e Desenvolvimento (Seplan). Ainda a Agência Estadual de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Maranhão (Agerp), vinculada à Secretaria de Estado da Agricultura Familiar (SAF).

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem