agencia

Notícias

Quarta-feira, 16/10/2019 - 14h19

Feira do Livro de São Luís segue com atividades diversificadas no sexto dia de programação

Nesta quarta-feira (16) a mineira Conceição Evaristo faz palestra na FeliS; na terça (15) foi realizado o Aulão do Enem

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Com programação gratuita, Feira do Livro atrai público de todas as idadesA 13ª Feira do Livro de São Luís, promovida pela gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior, chega ao seu sexto dia de programação. Ao todo, mais de 600 atividades acontecerão até o dia 20 de outubro, data que encerra o evento. A conferência magna desta quarta-feira (16) será com a convidada Conceição Evaristo (MG), a partir das 19h30, um dos maiores nomes da atualidade em literatura negra, com mediação de Áurea Borges. Pela manhã, a professora doutora em Literatura Comparada e escritora também participou de uma roda de conversa sobre ‘Literatura e resistência na escrita feminina negra’, na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), dentro da Extensão FeliS.

Além de Conceição Evaristo, outro nome nacional que participa de rodas de conversa fora do Multicenter Sebrae, mas dentro da programação da Feira, é o angolano Lopito Feijó, sendo às 9h30 na Escola Mônica Vale e das 19h30 às 20h30 na UEB. Thomaz de Aquino Andrade. Ele falou, no domingo (13) no Auditório FeliS, com o tema ‘Literatura angolana do pós colonial’, ao lado do Prof. Dr. Carlos Benedito Rodrigues da Silva (professor Carlão), que é antropólogo e coordenador do NEAB (UFMA), e mediação do secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa.

Mesmo a 13ª FeliS só abrindo oficialmente às 10h, algumas programações iniciam antes, como é o caso do XI Seminário de Políticas Públicas de Bibliotecas, Leitura e Informação e o I Simpósio Internacional Sobre Trabalho e Organização Profissional, que vai das 8h às 12h, no Auditório Aluísio Azevedo. No mesmo local, das 14h às 16h30 acontece o lançamento da política para acesso aberto ao conhecimento científico da Fapema, seguido da palestra "Busca e Publicação Científica: onde pesquisar e publicar seu artigo". Em seguida, será a vez da mesa com temática “O Cortiço revisitado, o processo de ocupação urbana com garantia da defesa do patrimônio cultural”. Às 19h, tem a conferência “Aluísio Azevedo, o Homem”, coordenada pela Academia Maranhense de Letras (AML).

Já no Auditório FeliS, a partir das 10h, tem contação de história e mediação de leitura “Caixinha de surpresas – Corujinha do papai”. Às 13h30 será com o Instituto Maranhense Educandário Betesda, às 14h terá a contação de Chicorina Catirico, com Tâmara Marques. No local ainda acontece a programação do Núcleo de Enriquecimento para Estudantes com Características de Altas Habilidades/Superdotação (NEECAHS), contação “Tapete contos”, com a Tapete Criações Cênicas, apresentação teatral “Elas sou eu”, do Grupo ANÔMIMUS Campus São Luís-Maracanã IFMA.

No Café Literário terá roda de conversa sobre ‘Os impactos do hábito de ler’, destinada a estudantes de pedagogia, letras, demais cursos de formação de professores e público da feira em geral. A tarde acontece a Audiência Pública sobre o Plano Municipal do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas de São Luís. Em seguida, o local recebe ainda o bate-papo literário ‘História da Inteligência Maranhense’, com  Anax Lima, e ‘Academia Ludovicense de Letras – ALL – Projeto Luzes da Ribalta’, com membros da ALL e mediação de Antonio Noberto.

A Feira também é espaço para os escritores maranhenses lançarem seus trabalhos. São mais de 60 obras selecionadas para lançamento na Casa do Escritor. Nesta quarta, a partir das 15h, serão lançados os livros ‘Guarnicendo uma nova geração: o protagonismo juvenil no IEMA’, por Raimundo Nonato Palhano Silva (org.); ‘A história do boizinho de brinquedo’, por Joana Bitencourt; ‘La lune’, por Lorena Silva; ‘Muito além da visão’, por Raquel Alves (org.); ‘Decadência humana’, por Jáder Cavalcante; e ‘Semântica da Vida’, por Ana Luíza Nazareno Ferreira.

A programação também acontece nos espaços Casa do Professor, Sala Professor Machadinho, Salas de Oficinas, Espaço Mulher, Espaço Juventude, Cine FeliS, Espaço Criança Semed I e II, Carro Biblioteca, Espaço Sesc de Leituras, Espaço Aberto e Palco Livre FeliS, além da Extensão FeliS e Proseando com a FeliS, que levam programação para bibliotecas públicas, asilos, hospitais, escolas e outros lugares. Confira a programação completa de todos os espaços em www.feiradolivrodesaoluis.com.br.

AULÃO DO ENEM

Uma das novidades da Feira deste ano foi o grande Aulão do Enem gratuito, para 500 pessoas, ocorrido na terça-feira (15). Foram ministradas das 8h30 às 12h e das 14h às 18h sete aulas das disciplinas matemática, biologia, redação, história, química, física e geografia, sendo 1h de aula para cada e 1h30 para redação. Com uma participação marcante de pré-vestibulandos, os alunos aproveitaram para tirar suas dúvidas e era notória a concentração deles para aprender cada dica, anotando tudo que ouviam. Os professores mostraram suas vastas experiências e usaram uma didática mais descontraída.

“Foi um dia muito produtivo e temos certeza que ajudamos vários participantes a esclarecer os assuntos que são abordados com mais frequência na prova. Foram escolhidos professores gabaritados, nomes bastante conhecidos e indicados na cidade. No Dia dos Professores, só temos que elogiá-los pelo seu trabalho de excelência. Vimos que esta iniciativa inspirou outros estandes dentro da Feira, que irão promover aulas em preparação ao Enem até o final do evento. É mais uma ação pensada para benefício da população e que foi muito assertiva pela gestão do prefeito Edivaldo”, destacou o secretário municipal de Cultura, Marlon Botão.

Nauriney  Ribeiro já concluiu o ensino médio e aproveitou para tirar suas dúvidas antes do Enem.  “É uma iniciativa muito boa, principalmente para aquelas pessoas que não podem pagar um curso pré-vestibular. Está sendo bastante proveitoso, os professores são muito competentes e estou gostando. Eu não estava em um cursinho, porque estava morando no interior, então essas aulas vão me ajudar muito. Quando estudamos sozinhos em casa é mais difícil, as vezes não é suficiente, e este aulão abriu um leque grande poder pesquisar  mais”.

Quem também assistiu as aulas foi a estudante de 17 anos, do Colégio Adventista, Ana Valéria. “Eu acho a Feira do Livro um evento muito importante, e este ano achei principalmente o aulão que foi feito como preparatório para o Enem, foram dados macetes muito significativos, que com certeza vão contribuir quando fizermos o vestibular. Sobre a Feira, está com as apresentações interessantes, os estandes com vários títulos legais para ler, eu estou adorando”, pontuou.

O professor de redação Jáder Calvacante, falou sobre a ação da Secretaria Municipal de Cultura (Secult) na proposta do aulão. “É uma iniciativa louvável da secretária, justamente porque às vezes os preços dos cursinhos são impeditivos para quem tem baixa renda. Os preparatórios têm professores que os tornam mais famosos e caros, tem profissionais que estão se destacando na sociedade e com vasto conhecimento pedagógico. A maioria dos alunos da rede pública realmente não tem acesso e essa é uma atitude que só vem elevar o conceito da Prefeitura perante a sociedade”.

Jáder Cavalcante também falou sobre as dicas que ministrou de redação. “Escrever é muito fácil, alguns colegas meus querem que os alunos façam textos de uma complexidade muito elevada, mas o Enem não exige isso. O exame quer apenas que a pessoa demonstre que sabe compor as suas ideias de maneira coerente, no padrão culto da língua. Eu até entendo que estes professores queiram tirar o máximo de seus alunos, porém se o aluno escrever de maneira simples, defendendo suas opiniões, ele tira uma nota mil”.

Para ele, o aluno precisa praticar para acabar com o nervosismo e fazer uma boa prova. “Em um jogo de futebol, o técnico pede para o jogador mais experiente bater o pênalti, mas para ele ganhar experiência precisa bater um monte de pênaltis. Na verdade, essa aula descontraída é para fazer com que o aluno busque praticar mais e se ele pratica uma, duas, dez vezes, quando chegar na hora de bater o pênalti, ele estará preparado para fazer o gol”, completou.

As aulas foram ministradas por Charles Henrique Escocio (Matemática), professor Velozo (Biologia), Jáder Cavalcante (Redação), Paulo Gereba (História), Mauro Tavares (Química), professor Dias (Física) e Afranio Weber (Geografia).

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem