agencia

Notícias

Segunda-feira, 25/11/2019 - 18h29

Professora da rede municipal é homenageada pela Prefeitura de São Luís por boas práticas de ensino

Educadora teve destaque no processo de alfabetização de estudantes do Ensino Fundamental a partir do Plano de Intervenção Pedagógica implantado na gestão do prefeito Edivaldo

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Professora da rede municipal é homenageada pela Prefeitura de São Luís por boas práticas ensinoO professor é um agente de mudança social individual e coletiva e quando ele entende a importância do seu papel consegue atuar com mais empenho, clareza e criatividade dentro da escola. A professora Joselia Costa, da Prefeitura  de São Luís, entendeu desde muito cedo que para ensinar precisaria se dedicar aos seus estudantes, compreendê-los, olhar para eles de verdade e a partir desse olhar desenvolver a melhor forma de ensinar um a um. Foi o seu trabalho na alfabetização de meninos e meninas no anexo Isema, da U.E.B Tancredo Neves, a partir do Plano de Intervenção Pedagógica implantado na gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior, que garantiu a ela o reconhecimento e a homenagem realizada pela Secretaria Municipal de Educação (Semed). 

Pedagoga, especialista em Psicopedagogia e Educação Especial, ela é daqueles professores que vestem a camisa, que se apropriam do seu ofício e gostam do trabalho que realizam. Há 11 anos ela atua no “chão da escola” pública, como gosta de chamar seu campo de atuação, dando aulas para estudantes do Ensino Fundamental da rede municipal, em especial para os alunos do 3º ano.

O secretário Moacir Feitosa recebeu a professora Joselia Costa na secretaria e destacou as boas práticas desenvolvidas por ela no ano de 2018. “Nós fazemos questão de reconhecer e homenagear os nossos professores que se destacam e contribuem para a efetivação da aprendizagem dos nossos estudantes. No caso da professora Joselia ficamos muito felizes em celebrar os excelentes resultados que os estudantes alcançaram, concluindo o ano letivo alfabetizados, tornando-se leitores, desenvolvendo o prazer pela leitura e pelos estudos de modo geral.

É uma forma de agradecer e incentivar para que esse professor seja perseverante e inspire outros a seguir o mesmo caminho exitoso”, afirmou o secretário municipal de Educação, Moacir Feitosa.

Em 2018, a professora Josélia Costa recebeu 24 alunos no 3º ano, ela se deparou com a realidade de que a maioria não sabia ler, nem escrever. Mas antes disso, ainda no ano de 2017, a Semed, por meio da análise com base nas avaliações internas e externas da rede municipal, verificou que essa também era a realidade de outras escolas de Ensino Fundamental. As avaliações mostraram que havia demanda de alunos que não estavam alfabetizados ao concluírem os ciclos de alfabetização e isso precisava ser mudado.

Em 2017, com o apoio da Consultoria Gazzola, do estado de Minas Gerais, a Semed começou a implementar o Plano de Intervenção Pedagógica, sob a coordenação do Núcleo de Alfabetização (NALF/Semed). O objetivo do PIP é de intervir pedagogicamente nas escolas com o foco na efetivação da alfabetização dos estudantes até os oito anos de idade, fase correspondente para adquirir esta habilidade, ou no máximo até o 3º ano, quando deve-se concluir o ciclo da alfabetização.

O PIP trouxe para as escolas uma metodologia de acompanhamento e intervenção pedagógica sugerindo estratégias de alfabetização, entre elas as 60 lições e formações para os professores, coordenadores e gestores escolares dando todo o suporte necessário para o desenvolvimento do plano.

“O PIP tem o círculo virtuoso muito forte em que a equipe técnica de facilitadores avalia e intervém. Não foi inventada nenhuma roda, porque já tínhamos certeza que foi a base alfabética que não foi consolidada nos anos anteriores e que os alunos do 3º ano sem essa base não iam seguir adiante. E ao final do primeiro ano de implementação do PIP nós pudemos constatar que os alunos avançaram significativamente e muitos alcançaram o nível avançado de leitura, que é quando eles são fluentes, conseguem ler e escrever”, afirmou a coordenadora do Núcleo de Alfabetização da Semed, Ruth-Ane do Nascimento.

Na turma da professora Joselia, por exemplo, cerca de 80% dos alunos concluíram o ano letivo de 2018 alfabetizados, lendo, escrevendo, criando suas próprias narrativas e se sentido valorizados, empoderados e com muita animação para desbravar o universo da leitura e do conhecimento.

“Ao fim das 60 lições realmente conseguimos perceber que as crianças haviam avançado. Nós tínhamos crianças que no 3º ano não conseguiam ler, tinham dificuldades na leitura e na escrita e ao final desse processo tinham se apropriado disso, desse aspecto do leitor. Então você vê o quanto realmente é importante que a rede municipal de Educação volte o olhar para esse processo de alfabetização da criança e que dê o suporte para o professor e para as escolas para que o trabalho possa acontecer“, afirmou a professora Joselia Costa.

A estudante Yasmim Castro, ex-aluna da professora Joselia, atualmente no 4º ano, é hoje uma leitora frequente que adora apreciar contos de fadas. Aprendeu a ler no 3º ano e lembra como era essa fase. “Eu não sabia ler sozinha e com a tia a gente foi aprendendo. Ela ensinava tudo, mostrava o alfabeto, as sílabas, a formação das palavras. Quando eu aprendi eu fiquei muito feliz porque é bom aprender, porque quanto mais a gente aprende, a gente também pode ensinar. Agora eu continuo lendo, em casa, com meus pais e a matéria que eu mais gosto é português”.

Outro pequeno leitor, o Kauã Mota, colega de turma da Yasmim, revelou que aprender a ler foi a realização de um sonho. “Eu queria muito aprender a ler, mas não sabia e precisava da ajuda dos meus pais para ler as histórias que eu queria conhecer. No ano passado eu aprendi e agora eu leio muito. Meu conto preferido é João e o Pé de Feijão”.

Sobre a homenagem e o reconhecimento recebidos pelo trabalho, Joselia Costa não se envaidece, mas se sente grata e com mais ânimo para continuar. “Eu amo ser professora e sempre me senti à vontade de também trabalhar do meu jeito. Em sala de aula a gente vai percebendo ali como o ensino pode funcionar da melhor forma a partir do conhecimento de quem é o teu aluno. A gente perceber que na maioria das vezes aquela criança conta só contigo, por conta de várias situações que se apresentam a ela. Quando você realmente olha para o aluno e identifica as dificuldades dele, você consegue fazer a diferença na vida dele", afirmou.

SOBRE O PIP

O Plano de Intervenção Pedagógica da Semed é um programa de ensino voltado para a intervenção pedagógica nas escolas da rede municipal de ensino com o foco de alfabetização dos estudantes de até oito anos de idade.

Em 2017 foi implementado em todas as turmas de 3º ano das escolas do Ensino Fundamental visto que a partir dos resultados das avaliações internas das escolas a exemplo do Sistema Municipal de Avaliação Educacional de São Luís (Simae) e também dos dados de avaliações externas como Avaliação Nacional de Alfabetização (ANA), foi identificado que nesta série havia um grande quantitativo de alunos que não estavam alfabetizados.

De acordo com a coordenadora do Núcleo de Alfabetização da Semed (NALF), Ruth-Ane do Nascimento, a partir do PIP as avaliações mostraram que os estudantes avançaram no campo da alfabetização e da leitura, passando do nível básico quando ainda estão começando a conhecer as letras, para o nível avançado, quando estão fluentes e conseguem ler plenamente.

A partir deste ano o PIP passou a ser implementado nas séries do 2º, 4º e 5º ano, sendo que no 5º ano os alunos recebem reforço nas disciplinas de língua portuguesa e matemática. “O PIP não é um programa que acaba, ele precisa ser uma ação orgânica na escola. Nós temos hoje diversas avaliações que nos mostram os resultados de onde precisa ser melhorado, então a partir disso é preciso fazer a intervenção. Em 2018 a Semed levou o PIP para a escola, mas a partir dessa experiência a escola pode criar seu próprio PIP de acordo com sua realidade e necessidades específicas”, explicou a coordenadora do NALF, Ruth-Ane do Nascimento.

A experiência do PIP nas escolas da rede municipal de ensino será abordada no seminário “As boas práticas dos professores dos anos iniciais do ensino fundamental da Rede Municipal de São Luís”, que será realizado nesta sexta-feira (29), das 8h às 11h30 e das 14h às 17h30, no Praia Mar Hotel, na Ponta d’Areia. O evento terá a participação de professores da rede, compartilhando as boas práticas em sala de aula, coordenadores, gestores da rede municipal e técnicos da Semed.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem