agencia

Notícias

Sexta-feira, 06/12/2019 - 08h45

Prefeitura de São Luís reforça combate à insegurança alimentar com início de mais uma etapa do Programa de Aquisição de Alimentos

Agricultores familiares rurais assinaram termo de compromisso de escoamento da produção para o PAA; esta é a quarta etapa do PAA executado pela gestão do prefeito Edivaldo

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Gestão do prefeito Edivaldo reforça Programa de Aquisição de Alimentos com início de mais uma etapaA estratégia da gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior para incentivo à agricultura familiar rural e à política de segurança alimentar de São Luís começa uma nova fase. Noventa e três pequenos agricultores da zona rural da capital assinaram, esta semana nesta,  o Termo de Compromisso para participarem de mais uma etapa do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), coordenado pela Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Segurança Alimentar (Semsa), com apoio da Secretaria Municipal de Agricultura, Pesca e Abastecimento (Semapa).

A assinatura do documento ocorreu na sede da Associação de Moradores e Produtores Rurais de Matinha de Maracanã, zona rural de São Luís, à margem da rodovia BR-135. O PAA é uma ação do Governo Federal e executado pela Prefeitura de São Luís, para colaborar com o enfrentamento da fome e da pobreza e, ao mesmo tempo, fortalecer a agricultura familiar.

“A gestão do prefeito Edivaldo está iniciando a quarta etapa do PAA, um setor muito importante para a agricultura familiar rural, que encontra neste programa uma garantia de escoamento da produção. Trata-se de um programa que tem alcance muito grande no contexto da economia, da produção rural, geração de renda e também em relação ao benefício social, distribuindo alimentos de qualidade para aqueles que não têm acesso”, declarou a secretária municipal da Semsa Fatima Ribeiro.

O secretário da Semapa Ivaldo Rodrigues avaliou a importância da política municipal de incentivo ao pequeno produtor no contexto da agricultura familiar e o impacto econômico na zona rural e nas feiras, mercados e supermercados da cidade. “A agricultura familiar tem crescido muito na zona rural de São Luís na gestão do prefeito Edivaldo. Nós temos dado todo o apoio necessário para que isso aconteça, disponibilizando equipamentos, insumos e assistência técnica e, com o PAA, garantindo o escoamento da produção para os programas sociais do poder público e, paralelamente, estamos abrindo novas frentes de abastecimento para uma grande rede de supermercados, fornecendo, entre outros produtos, mais de quatro toneladas de mel a cada 15 dias, o que é muito importante para incentivar o setor de apicultura”, comentou o gestor.

“O PAA beneficia agricultores da zona rural de São Luís, preferencialmente aqueles que possuem Declaração de Aptidão ao Programa Nacional de Agricultura Familiar, do Governo Federal, inscritos no Cadastro Único do Ministério da Cidadania, pertencentes a comunidades quilombolas ou assentamentos da reforma agrária e extrativistas, enfim, há uma série de critérios para ingressar no programa, como a exigência de que 40% dos beneficiários sejam mulheres. Os objetivos do PAA são basicamente fortalecer a agricultura familiar e ofertar alimentos de qualidade à população que mais precisa, por meio de instituições públicas como o Hospital da Criança e os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS)”, explicou a coordenadora do PAA, Fernanda Buzar.

O agricultor João Nunes dos Santos integra o PAA há quatro anos, desde a primeira etapa do programa na gestão Edivaldo. Com 58 anos de idade, morador da vila Coquilho 2, ele produz feijão verde, alface, quiabo, maxixe e macaxeira. “Fazer parte do PAA ajuda a manter a minha produção estável, com a certeza da compra”, ressaltou.

Inscrita pela primeira vez no PAA, a agricultora Osmarina Almeida Castro, de 74 anos de idade, moradora da Matinha de Maracanã, falou da expectativa de integrar o programa. “Antes a gente vendia a nossa produção para os feirantes e o comércio, mas não tínhamos a garantia da compra”, comentou a idosa. Ela e sua família cultivam milho, macaxeira, feijão, maxixe e quiabo e ingressaram no programa por intermédio do Sindicato dos Produtores Rurais.

Maria da Conceição da Silva Almeida, de 47 anos de idade, agricultora há 35 anos, comentou a sua atividade e de como se integrou aos programas sociais. “Nós cultivamos milho e outros produtos em uma área de aproximadamente três hectares e a nossa lavoura é destinada para o PAA e também para o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), além de feiras e mercados, enfim, para o comércio de varejo. Participar destes programas é uma garantia de escoamento de parte da produção é isso é muito importante para pequenos produtores como nós, que não temos como aumentar a área de plantio, que é arrendada em parceria com outras famílias da localidade e, juntas, dividimos os custos da produção”, contou Maria.

COMPROMISSO

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) é uma das iniciativas da gestão do prefeito Edivaldo para combater a insegurança alimentar na capital. Neste sentido, a solenidade ocorrida na Associação de Moradores e Produtores Rurais de Matinha de Maracanã para assinatura do Termo de Compromisso formalizou o início da quarta etapa do programa (Proposta de Participação nº 000.005.818.21/2019).

Por meio do programa, são adquiridos hortifrutis cultivados em polos agrícolas da Ilha localizados no Cinturão Verde, Matinha e Tajipuru e demais comunidades produtoras. Na lista de itens fornecidos estão abacaxi, abóbora, abobrinha, acerola, alface, banana (nanica e prata), batata doce, berinjela, caju, cebolinha, coco (d'água e seco), coentro, couve, farinha (de mandioca e d´água), feijão verde sem casca, limão, mamão (papaia e comum), maracujá, maxixe, mel de abelha, melancia, melão, milho, pepino, polpa (acerola, cajá, caju, goiaba e manga), quiabo, mandioca e vinagreira.

A distribuição dos alimentos é realizada pela Semsa, em parceria com a Secretaria da Criança e Assistência Social (Semcas), nos Centro de Referência de Assistência Social (Cras) aos beneficiários inscritos em instituições socioassistenciais - que trabalham com populações em risco de segurança alimentar e nutricional.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem