agencia

Notícias

Segunda-feira, 13/01/2020 - 17h20

Prefeitura de São Luís intensifica entrega de material informativo sobre segurança em áreas de riscos na capital

Cartilha explica como proceder em situações em que ocorram deslizamentos ou alagamentos provocados por chuvas fortes; ação soma-se a outras medidas preventivas implementadas pelo prefeito Edivaldo nestas áreas

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Prefeitura de São Luís intensifica entrega de material informativo sobre segurança em áreas de riscos na capitalA Prefeitura de São Luís, por meio da Superintendência da Defesa Civil, vinculada à Secretaria Municipal de Segurança com Cidadania (Semusc), intensifica, durante todo o mês de janeiro, a entrega de material didático onde explica aos moradores de áreas de riscos como proceder em situações em que ocorram deslizamentos ou alagamentos provocados por chuvas fortes. O bairro escolhido para a ação esta semana foi a Vila Cerâmica, região Itaqui-Bacanga, área da capital onde se concentra o maior número de pontos com temeridade de sinistros decorrentes das águas pluviais. A cartilha "O que fazer antes, durante e depois das chuvas" está dividida em ações que o morador deve tomar no período chuvoso. A ação soma-se a outras medidas preventivas implementadas pelo prefeito Edivaldo Holanda Junior voltada para estas áreas.

Atualmente, a Defesa Civil de São Luís mantém um monitoramento constante em 60 pontos considerados como de riscos na capital maranhense. Essas áreas estão localizadas em bairros como Coroadinho, Vila Palmeira, Eixo Itaqui-Bacanga, Centro Histórico, Zona Rural I e II, Cohama/Turu e a chamada Zona Costeira, que compreende o bairro São Francisco. Somente no Centro Histórico existem 20 residências em monitoramento.

Nos próximos dias, as equipes ainda visitarão outros bairros que fazem parte do eixo Itaqui-Bacanga, como o Anjo da Guarda, Alto da Esperança, Cajueiro, Cidade Nova, Argola e Tambor, Fumacê, Gancharia, Gapara, Itaqui, Jambeiro, Mauro Fecury I, Mauro Fecury II, Ilha da Paz,  Sol Nascente, Piancó, Residencial Paraíso, Porto Grande, Residencial Resende, Rio dos Cachorros, Sá Viana, São Benedito, Vila Bacanga, Vila Dom Luís, Vila Maranhão, Vila Embratel, Vila Collier, Vila Isabel, Vila Nova e outros.

"A distribuição da cartilha faz parte da campanha Diretrizes Nacional de Defesa Civil. A ação está sendo intensificada no eixo Bacanga onde tem maior número de pontos de riscos. A entrega do material didático é feita de casa em casa, para que os nossos agentes possam também conversar com as famílias para explicar a iniciativa”, informa a  superintendente da Defesa Civil do Município, Elitânia Barros.

Elitânia Barros também explica que essa campanha educativa é realizada todos os anos e que desde 2013, a Prefeitura de São Luís não registra qualquer caso de óbito decorrente de sinistros ocorridos durante o período chuvoso na capital maranhense.

ÁREAS DE ENCOSTAS

Uma das características das áreas de riscos mapeadas em São Luís pela Defesa Civil da Prefeitura é a presença de encostas, inclinação acentuada de um terreno que, ao sofrer a ação de fortes chuvas,  pode ceder e deslizar sobre casas próximas, atingindo moradores.

A construção de moradias próximas à áreas semelhantes são desaconselhada pela Defesa Civil e outras secretarias municipais. Em geral, quando o imóvel encontra-se em pontos assim, são feitas vistorias e, diante do agravamento da situação, o imóvel é interditado e os moradores recebem encaminhamento para orientações junto à Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas) e Secretaria Municipal de Urbanismo e Habitação (Semurh).

A cartilha traz informações sobre os riscos de construções nessas áreas, sem consulta técnica do município. A Defesa Civil também aponta medidas simples para reduzir perigos, além dos sinais que indicam possíveis deslizamentos, como trincas em paredes, rachaduras no solo e inclinações de postes.

No ano de 2019, a Defesa Civil atendeu mais de 500 ocorrências durante o período chuvoso em São Luís e realizou mais de 300 vistorias técnicas em residências das chamadas áreas de risco da cidade. Além de atuar preventivamente, por meio de ações de monitoramento o órgão também procurou montar um trabalho de orientação à população por meio  da formação de Núcleos Comunitários da Defesa Civil (NUCDCs), onde moradores recebem treinamento sobre como agir e acionar o serviço em caso de urgência. Atualmente há seis NUCDCs implantados e funcionando: o do Sá Viana, Túnel do Sacavém, Quintas dos Machados, Vila Lobão, Vila Conceição e Vila Dom Luís.

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem