agencia

Notícias

Quarta-feira, 26/02/2020 - 08h50

Última noite do Carnaval da Passarela do Samba teve blocos afros, tribos de índio e show do Bicho Terra

Encerramento do evento, promovido pela Prefeitura de São Luís e Governo do Estado, reuniu foliões que puderam curtir a festa que teve cinco dias de programação

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís

Última noite do Carnaval da Passarela do Samba tem blocos afros, tribos de índio e show do Bicho TerraDepois de cinco noites de muita folia, o Carnaval da Passarela fechou sua programação, nesta terça-feira (25), com desfile das Tribos de Índio, Blocos Afros e, no encerramento, um show surpresa do Bicho Terra, lotando o sambódromo do Anel Viário. Durante as cinco noites de festa, mais de 70 grupos folclóricos se apresentaram na Passarela, levando todo o colorido e o gingado dos ritmos locais. O Carnaval 2020 é uma realização da Prefeitura de São Luís e Governo do Estado.

O secretário municipal de Cultura, Marlon Botão, celebrou o sucesso de mais um ano do Carnaval da Passarela. “O Carnaval de São Luís, aqui na Passarela do Samba, bem como em todos os nossos circuitos, foi mais uma vez um sucesso. A gestão do prefeito Edivaldo Holanda Junior, em parceria com o Governo do Estado, resgatou o orgulho do ludovicense pelo seu Carnaval. A festa em São Luís está mais forte a cada ano, ganhando cada vez mais adesão, tanto do folião local, que costumava viajar para o interior, como de turistas. Esse nosso trabalho, nosso comprometimento, tem colocado o Maranhão, especialmente a cidade de São Luís, no roteiro nacional. A nossa capital já pode se orgulhar de ter um dos melhores e seguros carnavais do país”, destacou o secretário Marlon Botão.

A festa desta terça-feira começou cedo, ainda no entorno da Passarela, na Tenda do Tambor, com os grupos: Tambor de Crioula Um Degrau de Santa Luzia, Tambor de Crioula Raízes Africanas e Tambor de Crioula União de São Benedito (Vila São José).

Em seguida, iniciando os desfiles da Passarela, foi a vez do cortejo das Tribos de Índio: Sioux, Upaon-Açu, TapiacaUhu, Curumim, Kaiapó, Itapoã, Guarany, Tupiniquim, Carajás, Kamayaurá. Os Blocos Afros vieram a seguir; GDAM foi o primeiro bloco a desfilar, seguido por AbiyêyêMaylô, Omnirá, Juremê, Abibimã, Officina Affro, Akomabu, Netos de Nanã e, encerrando os desfiles, o bloco Didara. Fechando com chave de ouro a programação da Passarela, o bloco Bicho Terra fez um show surpresa, botando todo mundo para dançar – por problemas técnicos, a banda Mesa de Bar, que fecharia a noite, não pôde se apresentar na Passarela.

ESTRUTURA

Este ano, a Prefeitura ampliou a estrutura da Passarela do Samba, com instalação de 41 camarotes disponíveis à venda e ainda três camarotes para os jurados, além de arquibancada coberta com capacidade para um público de 10 mil pessoas a cada noite de programação, com acesso gratuito. A Passarela também contou com acessibilidade garantida para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção, além de intérpretes de libras para garantir que todos pudessem aproveitar a programação. Todas as noites de programação contaram com entrada gratuita.

APURAÇÃO

Nesta quarta-feira de Cinzas (26), no Teatro Alcione Nazareth, localizado no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, na Praia Grande, serão realizadas as apurações dos concursos dos Blocos Organizados, Tradicionais e Escolas de Samba. 

Acesse aqui a galeria de imagens desta reportagem