agencia

Notícias

Quarta-feira, 25/03/2020 - 14h30

Prefeitura de São Luís discute estratégias para minimizar efeitos do novo coronavírus em reunião com Frente Nacional dos Prefeitos

Na pauta da videoconferência, temas como saúde, assistência social e economia; gestores também trocaram informações sobre como cada cidade está lidando com a pandemia e avaliaram as medidas anunciadas pelo Governo Federal

A- A+ Tamanho da Letra
Da Redação - Agência São Luís
Ampliar imagem
Edivaldo discute estratégias para minimizar efeitos do novo coronavírus em reunião com Frente Nacional dos Prefeitos
Ampliar imagem

O prefeito Edivaldo Holanda Junior se reuniu, nesta quarta-feira (25),  por videoconferência, com os gestores públicos integrantes da Federação Nacional dos Prefeitos (FNP) para traçar novas metas e ações para minimizar o impacto na saúde, social e econômico da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) nos municípios. Após a reunião, o prefeito Edivaldo reafirmou, em entrevista coletiva, que irá seguir com as medidas restritivas para manter a curva de infecção do coronavírus controlada na capital, que tem oito casos confirmados da doença.

“O país atravessa uma grande crise na área da saúde. Hoje cedo me reuni, por videoconferência, com a Federação Nacional dos Prefeitos e juntos estamos traçando metas e colocando em prática ações para minimizar o impacto neste momento difícil. Este é um momento que requer união de esforços de todas as esferas do poder público e da população para que, passada esta crise sanitária, possamos retomar com a maior brevidade e com o mínimo de impactos possíveis, a rotina das cidades. Em São Luís, estamos seguindo as orientações das autoridades de saúde e continuaremos agindo para que o coronavírus se prolifere o mínimo possível entre nossa população”, disse o prefeito Edivaldo.

Durante a reunião foram debatidos temas como os impactos a arrecadação dos municípios com a paralisação de diversas atividades comerciais. Os prefeitos também trocaram informações sobre como cada cidade está lidando com a pandemia, avaliaram as medidas anunciadas pelo Governo Federal para ajudar as prefeituras a atravessarem a crise sanitária e formularam uma pauta de solicitações que será encaminhada à Brasília, como o detalhamento da ajuda financeira anunciada.

As prefeituras querem saber quanto será repassado a cada uma e quando os recursos estarão disponíveis e também solicitam a suspensão do pagamento das dúvidas dos municípios com a União, benefício já concedido aos estados. As medidas contribuiriam  para desafogar as finanças das prefeituras que agora precisam investir em ações de combate ao novo coronavírus.

A FNP propõe a instalação imediata de um Comitê Interfederativo de gestão de crise, transversal, para gerir a crise instalada pela pandemia do coronavírus e defende a participação das três instâncias do executivo (prefeitos, governadores e Governo Federal). Este espaço de articulação federativa permanente, com troca de informações e compartilhamento de decisões, teria como objetivo o implemento de ações mais eficazes e harmônicas para o país, respeitando-se as competências institucionais e legais.

AÇÕES

Em São Luís, mesmo antes da confirmação de casos de Covid-19, a Prefeitura iniciou as providências, com medidas e ações, para o enfrentamento deste problema de saúde mundial. “A pandemia do novo coronavírus exige de toda população um esforço no sentido de mudar hábitos cotidianos, como lavar as mãos regularmente, não sair às ruas se não houver necessidade, evitar aglomerações, entre outras. Somente com esta consciência, somada a todos os esforços que fazemos neste momento, Prefeitura de São Luís e Governo do Estado, em conjunto, poderemos reduzir a proliferação deste vírus na nossa cidade. No momento,  a  vacina que temos contra o coronavírus é o distanciamento social, então, o nosso apelo é para que a população siga a orientação de ficar em casa”, ressalta o prefeito Edivaldo.

Neste sentido, já na noite da segunda-feira (16), o prefeito Edivaldo determinou a suspensão das aulas da rede de ensino municipal. No dia seguinte, ele editou o Decreto Municipal Nº 54.890 com reforço das medidas para prevenção do novo coronavírus (Covid-19) em São Luís. Um novo decreto, o Nº 54.936, foi editado na segunda-feira (23), declarando Estado de Calamidade Pública.

Neste período, diversas medidas de combate à Covid-19 já foram tomadas. Foram suspensos o atendimento presencial em todos os órgãos públicos com disponibilização de canais telefônicos e eletrônicos para que o cidadão continue tendo acesso aos serviços. Os serviços considerados essenciais foram intensificados e readequados para seguir as recomendações das autoridades de saúde.

A estrutura da saúde municipal está sendo reforçada. Toda a estrutura do Hospital da Mulher, com 43 leitos clínicos e 10 leitos de UTIs, está sendo reservada para o atendimento e tratamento de casos do novo coronavírus, sendo a unidade referência na rede municipal.

Também está sendo feita a higienização frequente dos ônibus com os produtos recomendados pelas autoridades de saúde. Este trabalho é feito nas garagens, antes da saída dos veículos, e ao longo do dia nos terminais de integração, no intervalo das viagens. Também foi determinado o desligamento do ar-condicionado dos veículos, que agora circulam com as janelas abertas.

O efetivo da Guarda Municipal de São Luís está realizando fiscalização permanente nas praias, para evitar aglomerações. Esta é uma ação conjunta com o Corpo de Bombeiros. As autorizações de eventos públicos ou privados foram suspensas, incluindo a Feirinha São Luís e as edições do programa Todos Por São Luís.

Está sendo feita a intensificação do serviço de limpeza urbana, considerando neste momento a importância da limpeza das ruas e o afastamento dos resíduos e os serviços de coleta seletiva foram suspensos por prazo indeterminado, assim como os serviços de transporte e de manejo nas instalações de recuperação de resíduos recicláveis devido ao risco que apresentam. Os Ecopontos estão recebendo apenas os resíduos de podas, volumosos e entulhos por prazo indeterminado.

A população de rua também receberá atendimento especial neste período com a disponibilização de atendimento em saúde para detectar possíveis casos da doença entre estas pessoas. Também será disponibilizado abrigo temporário no Estádio Castelão, que terá capacidade para receber até 100 pessoas, reforçando o número de vagas já disponíveis nos dois centros de atendimento à população de rua mantidos pela Prefeitura de São Luís.